Pesquisar este blog

codigos blog

assine o feed

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

Seguidores e seguidos!

27 dezembro 2011

Estudo mostra relação entre aumento de casos de autismo e diabetes

Uma nova pesquisa sobre as anomalias genéticas e bioquímicas associadas ao autismo revela que existe uma possível ligação entre a doença neurológica e o diabetes tipo 2. Os dois transtornos médicos tiveram o número de casos em ascensão nas últimas décadas.
"Parece que ambos, o diabetes tipo 2 e autismo, têm um mecanismo comum subjacente: a intolerância à glicose e a hiperinsulinemia (excesso de insulina na corrente sanguínea)", avalia Michael Stern, bioquímico da Rice University, nos EUA e autor do estudo que aparece na edição deste mês da revista Frontiers in Cellular Endocrinology.
A hiperinsulinemia, frequentemente um precursora da resistência à insulina, é uma condição caracterizada por níveis de excesso de insulina na corrente sanguínea. Resistência à insulina é freqüentemente associada com obesidade e com o diabetes tipo 2.
"Será muito fácil para os clínicos testar a hipótese deste estudo", afirma Stern, professor de bioquímica e biologia celular na Rice. "Eles podem fazer isso colocando crianças autistas em dietas de baixo carboidratos, que minimizam a secreção de insulina, e ver se os sintomas melhoram".
Stern diz também que a nova descoberta sugere que a tolerância à glicose em mulheres grávidas pode ter de ser abordada com mais seriedade do que tem sido feito até agora.
O laboratório de Stern está localizado no Collaborative Rice Research BioScience, seção especializada em investigar as interações genéticas associadas a doenças genéticas como a neurofibromatose, um distúrbio no qual os pacientes são várias vezes mais propensos a apresentar sintomas de autismo e de desordens do espectro do autismo, como a síndrome de Asperger. Autismo e Asperger são desordens neurológicas que têm forte base genética, mas ainda pouco compreendida pelos pesquisadores. Os Centros dos EUA para Controle de Doenças e Prevenção estimam que cerca de nove em cada mil crianças dos EUA são diagnosticadas com autismo ou Asperger.
Stern comenta que, pelo menos, quatro genes associados com freqüência ao autismo são conhecidos por produzir proteínas que desempenham um papel chave em um caminho bioquímico conhecido como PI3K/Tor. Stern diz que estava estudando uma forma de funcionamento anormal nas sinapses de cobaias com esta espécie de anomalias, notavelmente semelhantes a anormalidades observadas em cobaias com defeitos em um caminho diferente, conhecido como mGluR, que determina depressão a longo prazo.
"Passei muito tempo pensando sobre a sinalização da insulina, porque um outro projeto no meu laboratório é um projeto de endocrinologia em que estamos estudando como as principais proteínas envolvidas na sinalização de insulina afetam o tempo de metamorfose em cobaias de laboratório", diz Stern.
De seus estudos em ambas as áreas, Stern sabia duas coisas: PI3K/Tor foi a principal via de sinais de insulina dentro das células, e a insulina pode afetar as sinapses de modo muito semelhante aos defeitos mGluR associados com o autismo.
"Quando li que a incidência de autismo foi aumentando, e combinada com o fato de que a incidência de diabetes tipo 2 também está aumentando, parecia razoável que cada aumento poderia ter a mesma causa final — o aumento da hiperinsulinemia em geral na população", disse Stern.
Stern disse que ele organizou o estudo alguns meses atrás, quando uma empresa de consultoria de saúde cuidado pediu-lhe para fornecer informações sobre o autismo.
"Na preparação para esta entrevista, eu descobri que o diabetes gestacional foi o mais importante fator de risco materno identificado para o autismo, mas que nenhum mecanismo conhecido poderia ser responsável por isso", Stern lembrou. — Foi quando eu percebi que isso não era óbvio para os outros no campo científico. Então decidi escrever isto com a esperança de que os clínicos possam se tornar conscientes disso e tratar seus pacientes de acordo."
Ao escrever o artigo, Stern disse que aprendeu que o papel da insulina na função cognitiva está se tornando mais amplamente aceita.
"Eu estava verificando se a insulina era conhecida por afetar a função sináptica, e aprendi que a aplicação nasal de insulina já está sendo testada para ver se é benéfica para outros casos, como pacientes de Alzheimer e até de esquizofrenia".
Stern disse que também descobriu que estudos preliminares indicam que dietas baixas em carboidratos foram terapêutica para algumas pessoas com autismo e Asperger.
"Baseado no que já está na literatura, a insulina tem de ser levada a sério como um elemento causador de autismo", disse Stern. "Espero que os médicos possam dar o próximo passo e estabelecer parâmetros de um rigoroso teste para determinar a melhor forma de usar essa informação para beneficiar os pacientes".
Da Agência O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi seja bem vindo (a) fike a vontade e deixe seu comentário e seu link para que eu te visite também abraçoss